ATENDIMENTO (49) 3441 2801
Já possui uma conta? Entrar | Cadastre-se

Faça login

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro. É rápido, fácil e garante acesso a diferentes serviços.

Cadastre-se

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro.

 

Sem acordo caminhoneiros anunciam retomada da greve
Movimento começou a meia noite de quarta-feira
Publicado 22/04/2015
 

Por Ricardo Santuari

Terminou sem acordo a reunião envolvendo o governo federal e os representantes dos caminhoneiros, na tarde desta quarta-feira (22/04) em Brasília. Desta forma os transportadores autônomos informaram a retomada da greve a partir desta quinta-feira.

O impasse nas negociações envolve a elaboração da tabela de fretes. O governo não aceita uma tabela impositiva, apenas referencial. 

Os transportadores pedem a redução no preço do óleo diesel e também um preço mínimo para o frete. Desde a semana passada o movimento dos transportadores está alertando, através de faixas afixadas nos principais acessos de cidades do oeste e extremo-oeste catarinense, sobre a retomada da greve. 

— O governo não nos ouviu. Agora o Brasil vai parar — afirmou o presidente do Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos de Ijuí, Carlos Alberto Litti Damer. 

O motorista relatou que, logo após o término da reunião, a categoria já começou a organizar a greve em todo o país, que envolve o bloqueio nas estradas, como ocorreu em fevereiro. Apenas os caminhões com ajuda para os atingidos pelo tornado em Xanxerê, no oeste de Santa Catarina, terão passagem liberada pelos manifestantes, segundo Damer. Ainda não há informações sobre quais estradas serão bloqueadas no Rio Grande do Sul.

O encontro ocorreu na sede da Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT), com a presença dos ministros da Secretaria-Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto, e dos Transportes, Antônio Carlos Rodrigues. A principal reivindicação dos caminhoneiros era a criação de uma tabela com o preço mínimo do frete, que não foi confirmada pelo governo. A medida é vista como inconstitucional pelo Planalto, que afirma não poder interferir no mercado.(Com informações do clicrbs)

COMENTE