ATENDIMENTO (49) 3441 2801
Já possui uma conta? Entrar | Cadastre-se

Faça login

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro. É rápido, fácil e garante acesso a diferentes serviços.

Cadastre-se

Caso você ainda não possua uma conta, faça o seu cadastro.

 

Marcos Terras/Rádio Aliança.
Decisão de Jaderson Miguel não contraria o PSD
Afirmação é do presidente da sigla em Concórdia, Valmor Bernart.
Publicado 02/01/2017
 

Por Jocimar Soares

Ao dar o voto para a chapa 1, que elegeu o vereador Artêmio Ortigara, do PR, para a presidência da Câmara de vereadores de Concórdia, o vereador Jaderson Miguel seguiu uma posição dele e não contrariou o partido. A afirmação é do presidente do PSD concordiense, Valmor Bernart. 

Em entrevista por telefone, Bernart fez questão de dizer que não houve uma orientação partidária para o voto de Jaderson na eleição da mesa diretora. Reforça que o próprio parlamendar, empossado no fim de semana para mais quatro anos na Câmara de Vereadores, abriu mão de ser o presidente do Legislativo Municipal para apoiar a chapa encabeçada por Ortigara.

O presidente do PSD de Concórdia lembra que "logo após a eleição municipal, ele teve um poscionamento próprio. Manifestou apoio a situação. Os partidos da base do atual governo não nos procuraram. Nem o Jaderson nos procurou para discutir isso enquanto partido", diz. Por outro lado, o líder partidário diz que o PT e o PMDB procuraram o PSD para propor uma composição para o Legislativo em que Jaderson Miguel seria o presidente. "Tão logo houve essa conversa, eu levei essa situação ao Jaderson e ele disse que já tinha posição tomada e não queria mais discutir o assunto", conta.

Bernart faz questão de dizer que a decisão do vereador não contraria a da sigla. "O partido abriu possibilidde para ele estar na presidência da Câmara de Vereadores. Mas ele não quis. Para nós não tem restrições a opção dele. Se ele que era o interessado abriu mão, então não temos nada a contestar", reitera Valmor.

Por fim, Bernart finaliza que a coligação do PSD era um dos três grupos que disputou a eleição municipal. "Para nós, compor com quem perdeu ou quem venceu não era problema", finaliza.

COMENTE